25 de mar de 2013

O lavar os pés uns dos outros

     Nessa semana da páscoa desejo falar do lava-pés, do ensino que esse ato carrega, e do ensino que esse ato carrega quando é feito por Jesus no contexto de João 13. O que tal atitude vinda de Jesus pode ter provocado nos seus discípulos? como eles se sentiram? é isso que gostaria de tratar nesse texto.
     Esse Costume de lavar os pés era bem comum dentro de lares israelistas, era algo que se fazia com o viajante que chegava depois de longa viagem, aonde se sujava os pés com a poeira da caminhada. Era feito pelo escravo da casa, que se despia e se agachava podendo assim tocar os pés.
    Jesus sempre chocou as pessoas com o seu ensino profundo, esse choque para alguns era ruim como no caso dos fariseus, porém para tantos outros significou liberdade em um contexto de opressão religiosa, e igualdade em um contexto de hierarquias e desigualdades. Cada atitude de Jesus dessa natureza abria para os discípulos as portas para uma caminhada que não se imaginava ter, O lava pés foi justamente esse instrumento de choque para mostrar o que deveriamos ser uns para os outros.

   O que me faz pensar é que Jesus silenciosamente pegou a toalha, se despiu da tunica, e começou a lavar os pés de cada um, o ensino de Jesus é silencioso, são atitudes sem palavras, porém que falam muito mais do que qualquer teoria ou teologia. Imagino a expressão de cada discípulo meio que sem saber o que pensar deixando Jesus se agachar na frente deles praticamente nu como um escravo lavando seus pés. Jesus não queria falar nada, o desejo dele era deixar aquela cena gravada na mente deles de que o seu mestre foi escravo deles lavando os pés, todos tiveram seus pés lavados, até mesmo o traidor.
  Sabemos que tudo isso representa a humildade, o serviço, a comunhão, a igualdade, o que me preocupa é que tais valores não sejam por nós cultivados e aplicados ao coração no cotidiano da vida. O que me preocupa é que datas que poderiam servir para uma análise profunda do sentido nosso de como nos damos uns com os outros,  tenho pensando na minha vida de como eu tenho levado essa vida chamada "cristã", do meu risco de cair da graça de Deus que gera amor e entrar no cerimonialismo litúrigico que não lava mais os pés da poeira da caminhada, pelo contrário que só acumula ou joga toda a poeira dos pés para debaixo dos tapetes da moral religiosa.
 Que essa Páscoa seja realmente uma "passagem" como significa o termo, que possamos migrar de uma paralisia religiosa, para uma vida de liberdade, serviço, igualdade e de amor.

#pense

Um comentário:

  1. Muito bom ... que possamos fazer de nossas vidas um verdadeiro lava-pés ...

    ResponderExcluir