15 de mar de 2012

Eu tenho fé em Deus?


Estive doente por quase uma semana e nesse tempo pude meditar um pouco sobre fé. Por mais de cinco anos fui membro de uma igreja neo-pentecostal. Hoje sou seminarista do Betel Brasileiro, e agradeço a Deus pela maravilhosa graça e por seu agir em minha vida.
Se fosse naqueles tempos, eu provavelmente estaria com “falta de fé” por estar doente, ou no mínimo, ser culpada por não crer, e não estar “declarando” a minha cura. Há uma confusão na mente dos cristãos que freqüentam essas igrejas no que diz respeito a fé.
Fé pra eles é a evidência, segurança, confiança, o firme fundamento das coisas que não se vêem. Fé é sempre para o tempo presente, se não é agora não é fé. Dizem ainda que nos tornamos aquilo que confessamos bem ou mal1.
No entanto, na Bíblia Sagrada encontramos dois tipos de fé: a fé salvífica, e o dom da fé. A fé salvífica é a crença que temos na salvação de Cristo Jesus. Cremos que Ele veio ao mundo, foi crucificado, e ressuscitou para salvar aqueles que estavam perdidos.
“Irmãos, o desejo do meu coração e a minha oração a Deus pelos israelitas é que eles sejam salvos (...). A palavra está perto de você; está em sua boca e em seu coração, isto é, a palavra da fé que pregamos: Se com a sua boca você confessar que Jesus é Senhor e crer em seu coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, será salvo. (...) No entanto, nem todos os israelitas aceitaram as boas novas. Pois Isaías diz: Senhor, quem creu em nossa mensagem? Consequentemente, a fé vem pelo ouvir a mensagem, e a mensagem é ouvida mediante a palavra de Cristo” (Romanos 10.1-17, NVI).
A Palavra da fé aqui não é uma “nova revelação”, é a palavra da salvação, e a fé em questão aqui é a fé salvífica. A fé salvífica vem pelo ouvir a Palavra de Deus, e esta conduzirá o homem ao arrependimento. É por meio dessa fé em Cristo Jesus que somos salvos e aguardamos a promessa da vida eterna.
“Por isso, não abram mão da confiança que vocês têm, ela será ricamente recompensada. Vocês precisam perseverar, de modo que, quando tiverem feito a vontade de Deus, recebam o que Ele prometeu; pois em breve, muito em breve ‘Aquele que vem virá, e não demorará. Mas o justo viverá pela fé. E, se retroceder, não me agradarei dele’. Nós, porém, não somos dos que retrocedem e são destruídos, mas dos que crêem e são salvos. Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos” (Hebreus 10.35 – 11.1, NVI).
Outro tipo de fé é o dom da fé.
“Há diferentes tipos de dons, mas o Espírito é o mesmo (...). A cada um, porém, é dada a manifestação do Espírito, visando ao bem comum. Pelo Espírito, a um é dada a palavra de sabedoria; a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra de conhecimento; a outro, fé, pelo mesmo Espírito (...).” (I Coríntios 12.4-9, NVI).
Os dons do Espírito são capacitações dadas aos crentes para que eles possam servir ao corpo de Cristo, edificando os outros e glorificando a Deus. Não são todos os cristãos que receberam o dom da fé, visto que é dado a “uns” pelo Espírito Santo. Assim como não são todos os cristãos que tem o dom de ensino, ou de profecia, ou de línguas.
            O dom da fé é a capacitação divina para agir à luz das promessas de Deus com confiança e fé, não duvidando da capacidade de Deus para cumpri-las. As pessoas com esse dom crêem nas promessas de Deus e estimulam outros a fazer o mesmo2.
            Fé não é declarar, ou chamar a existência algo que não existe. O único que tem o poder que chamar a existência as coisas é Deus: “O Deus que dá vida aos mortos e chama à existência coisas que não existem, como se existissem” (Romanos 4.17, ARA).
Fé é confiança em Deus, é esperança. O dom da fé nos capacita a não desanimarmos em meio as aflições. Aqueles que têm o dom da fé devem encorajar e fortalecer os irmãos que estão sem esperança.
Logo irmãos, estejamos convictos que não é porque nós “declaramos” ou “profetizamos” algo que isso vai acontecer. Isso não é fé. Isso é soberba e arrogância, é achar que Deus irá obedecer a um capricho humano, é pensar que você é digno de alguma benevolência da parte de Deus.
Estar doente ou ter saúde, ter muito dinheiro ou ser pobre, andar no carro do ano ou de ônibus, nada disso mede a minha fé em Cristo. Não pensemos que podemos barganhar com Deus, Ele não faz algo porque pedimos e confessamos, Ele faz a Sua vontade, quer ela seja agradável ou não para nós.
“Eu sei, Senhor, que não está nas mãos do homem o seu futuro; não compete ao homem dirigir os seus passos” (Jeremias 10.23, NVI).
Portanto, permaneçamos crendo em Deus com uma fé simples, pois é a fé na salvação e na vida eterna que agrada a Deus. “De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que Ele existe e que se torna galardoador dos que o buscam” (Hebreus 11.6, ARA).

Pammella Carvalho

1 Apostila de Fundamentos da Fé. Rhema Brasil.
2 Rede Ministerial. Bruce Bugnee; Don Cousens; Bill Hubels.        

0 comentários:

Postar um comentário