13 de mar de 2015

O que é "Esperar no Senhor"?

   Olá Leitores! Nesse momento Gostaria de continuar a série de reflexões sobre os jargões do mundo evangélico e analisar o que teria de verdade e de evangelho em tais expressões da cultura religiosa, na nossa meditação anterior refletimos sobre O que é "sentir a presença" de Deus? Sendo essa também uma preciosa viagem aonde aprendemos o sentido dessa expressão.
     Hoje Gostaria de trabalhar com essa expressão "Esperar no Senhor". Essa fala é muito usada em todas as esferas da vida para expressar que você estaria na expectativa de acontecer algo que você pleiteia ou busca, seja um namorado, um emprego, uma questão na vida qualquer, porém nesse texto gostaria de refletir sobre sua aplicação na vida dos jovens na área de relacionamentos, porque até um movimento chamado "Eu escolhi esperar" tem tido grande "sucesso" na propagação de idéias que reforçam o jargão do "esperar" e só essa fala tem "doutrinado" muitos jovens com um tipo de espiritualidade meritória e legalista com base no ato de se "esperar".
Antes de tudo gostaria de colar um texto aqui que vai nos servir de Base:

 At 16:6 Paulo e seus companheiros viajaram pela região da Frígia e da Galácia, tendo sido impedidos pelo Espírito Santo de pregar a palavra na província da Ásia.
At 16:7 Quando chegaram à fronteira da Mísia, tentaram entrar na Bitínia, mas o Espírito de Jesus os impediu.
At 16:8 Então, contornaram a Mísia e desceram a Trôade.
At 16:9 Durante a noite Paulo teve uma visão, na qual um homem da Macedônia estava em pé e lhe suplicava: "Passe à Macedônia e ajude-nos".
At 16:10 Depois que Paulo teve essa visão, preparamo-nos imediatamente para partir para a Macedônia, concluindo que Deus nos tinha chamado para lhes pregar o evangelho.

     Nos versos acima temos Paulo em viagem missionária tentando viajar para uma e outra cidade e em duas tentativas sendo impedido pelo Espírito Santo. Vejamos: Algo não deu certo que não puderam viajar para onde planejavam, O Espírito Santo os impediu no sentido de que aconteceu algo, ou eles sentiram que não deveriam prosseguir, mas também não sabiam para onde deveriam. Logo ficando onde estavam foram dormir e em Sonho Deus deu uma direção para um determinado lugar. O texto não diz que eles estavam parados olhando o tempo "esperando" e sim que eles estavam agilizando e caminhando tomando suas decisões da onde queriam ir e que Deus os impedia. Engraçado que eles não foram para o monte orar para saber a "vontade de Deus", mas fizeram o que tinham em mente. Nos dias de hoje no mínimo diriam que eles não estavam "esperando em Deus" porque quiseram por si mesmos viajar sem autorização divina, ou diríamos que eles estavam na "carne", ou se precipitando, mas não o texto fala de missionários enviados por Deus para viagem.
     Quando temos de fato um verdadeiro relacionamento com Deus sabemos que somos livres para atuar na vida, realizar escolhas segundo o bom senso e a racionalidade que o próprio Deus nos concede para tomarmos atitudes e decisões segundo os nossos gostos e paladares e Quando Deus quiser alertar e falar ele é totalmente livre para isso, nos dando sonhos, sinais, nos tirando o sono, ou nos tirando a paz e nos incomodando, em fim, usando seus multimeios na sua multiforme graça, portanto quem de fato se relaciona com ele tem essa convicção e caminha com tranquilidade sem precisar de jargões de nenhuma natureza.
     O problema é que os jovens não têm sido ensinados a ter, ou não tem buscado ter um verdadeiro relacionamento com Deus, precisando de psicologias travestidas de teologia cheio de moralismos ou de medos que nos colocam numa vida de barganhas com Deus e de repressão da razão, da vontade, do afeto e tudo mais. Imagina a coisa mais normal do mundo seria dois jovens se gostarem e começarem a namorar e seguindo a frente quem sabe casar, mas tais jargões colocam desconfiados de nossos próprios afetos verdadeiros quase que demonizando-os, colocam nossos gostos pessoais por certo tipo de pessoa em segundo plano como se alguém por ordem de Deus fosse namorar com alguém que acha feio ou que não é atraente por qualquer razão que tem a ver com o individuo, e por fim colocam jovens sinceros angustiados e culpados se querem o que supostamente "Deus não quer", eu não chamaria isso de relacionamento com Deus, chamaria de sinto de castidade psicológico.
     Creio que essas idéias nos farão refletir mais e melhor e nos ajude a buscar em Deus uma verdadeira espiritualidade longe dos extremismos.  Paz pra todos! Paulo Gustavo

0 comentários:

Postar um comentário