25 de mar de 2015

A santidade do Trabalho

     

O significado do trabalho ao longo dos últimos séculos tem se perdido muito em meio as filosofias e ao descaso da igreja quanto ao assunto, percebemos no dia a dia que exercer a vida profissional é só um meio para obtenção de algum ganho que o mantenha enquanto a morte não chega,  outro mais "elevados" encaram como um dever social, mas vemos poucos encararem o trabalho como realmente nos foi proposto nas escrituras e que ficou claro com a reforma protestante.
     Uma das maiores propostas da reforma protestante foi o "sacerdócio universal de todos os crentes", significando dizer que não havia mais pessoas supostamente mais espirituais do que as outras por causa de uma função na igreja-local, que ninguém era mais sacerdote que ninguém  e todos são sacerdotes uns para os outros e para si mesmo dependendo apenas do Sumo-Sacerdote Jesus. A partir de então a maior pergunta foi Como Glorificar ao Pai? se antes só quem tinha a vida mais nobre e mais "espiritual" eram os separados a vida eclesiástica? Como exercer esse sacerdócio universal? se eu não tenho uma vida "separada" para Jejuns e orações como os antigos padres tinham? A resposta para essas perguntas foi com a palavra "Trabalho". A partir dali os crentes entenderiam (ou deveriam ter entendido) que exercer a sua vocação profissional era santidade na vida, que o melhor deveria ser feito, então foi formado todo um entendimento a partir dos estudos de Lutero e Calvino que compreendia a questão da vocação divina não só para quem se dedicasse a vida eclesiástica, mas a vida comum como um domínio de Deus e deveríamos refletir sua imagem ali.
    Uma história famosa de Lutero diz que uma pessoa veio até ele e perguntou o que poderia fazer para glorificar a Deus na sua vida, O reformador perguntaria sua profissão  e receberia a resposta de que o homem era sapateiro, pois bem, foi orientado por ele a fazer o melhor sapato e vender por um preço justo. Essa historinha retratada a teologia prática por trás do Sacerdócio Universal proposto pela reforma protestante, que descentralizava a vida espiritual que era intermediada pelos clérigos da igreja de então e colocava sobre o individuo a responsabilidade pela sua vida e pelas suas atividades.
    Hoje temos várias dificuldades diante da realidade de que temos que exercer o sacerdócio como Homens comuns e profissionais. Na maioria das vezes as pessoas trabalham em coisas que não gostam ou pelo fato de não terem se preparado bem ou por falta de opção em meio as circunstâncias, vivem em ambientes ruins de muita pressão e todo tipo de guerrinhas diárias. Por isso devemos pensar bem em que profissão caminhar tendo em vista que ali teremos a missão de agradar a Deus realizando o melhor possível. Mesmo não trabalhando em lugares que não projetamos devemos assim honrar a Deus ali, crendo que no mais Deus concede forças a nós nas dificuldades encontradas cotidianamente. O que não podemos é negar nosso chamado e missão para que sejamos homens e profissionais éticos e excelentes em nossas atividades e reconhecidos, isso glorifica a Deus, isso contribui com valores para a sociedade, isso inspira crianças, jovens, isso agrega conteúdo para o todo do lugar aonde estamos alocados. Pesquise mais, entenda mais sobre o Sacerdócio Universal.




      

0 comentários:

Postar um comentário