22 de out de 2016

A auto ajuda e a pós-modernidade!

   

Tenho pensado cada dia mais que não são as drogas químicas o grande produto a ser vendido hoje por ai, mas sim idéias torpes. Tenho visto o mal que certos tipos de pensamento tem feito nas pessoas que não buscam em Deus uma condição em que lhes permita terem anticorpos para suportar, para refletir, para não aderir a certas ondas e certos sensos comuns que nos levam a ter pouquíssima consistência de vida. 
     A auto ajuda tem sido uma dessas "químicas" que tem sido vendido por ai, na verdade estamos na era do 'auto", do "Self", aonde as pessoas querem saber o que elas podem fazer por elas mesmas para serem felizes. Tem um monte de gurus motivacionais por ai, um monte de Expert em sucesso e felicidade, sessões inteira de livros que tratam só de como você ser feliz em 10 passos, como fazer dar certo em 7, como não fracassar em 21, como não ser triste em.. bom e por ai vai.
     Me referi a Auto Ajuda como um certo típo de química, por que ela trabalha misturando elementos da religião predominante, das ciências, da psicologia, entra um pouco na estatística, e por ai vai, no fim das contas ela só quer dizer como a vida é bonita e como você é um vencedor, ou como pode ser um se não estiver se sentindo. Sem me alongar muito já tendo definido o assunto, quero colocar uns problemas sérios que eu vejo nesses conteúdos que estão presentes em filmes, livros, pregações religiosas, entre outras plataformas.
     Uma idéia bem feia que eu vejo por ai sendo difundida nessa geração flácida é a demonização da tristeza, como se tal sentimento não tivesse nada para oferecer de bom, como se momentos de solidão, e de frustrações, não pudessem oferecer uma oportunidade de amadurecimento, crescimento, fortalecimento. Salomão disse que seria melhor está na casa de luto, do que na casa aonde há festa, pois na casa do luto há reflexão sobre a vida, só que hoje parece que queremos não nos deparar com realidades que entristecem, pois não sabemos para onde canalizar a tristeza, não sabemos e não aprendemos nesses livros o que fazer quando ganhamos um não, eles se quer consideram as negativas que a vida dá, apenas dizem que se seguir os 7 passos no fim encontrará o sucesso e a felicidade.
    Outra coisa que tem embriagado os jovens e adultos por ai é a idéia excessiva de sonhos, alguém até te bate se você disser que não tem nenhum "sonho", ou você tem que ter um "sonho" bem ambicioso para demonstrar que você é uma pessoa motivada na vida. Dá onde vem isso? na bíblia não vejo o Apóstolo Paulo sonhando em ter uma carruagem ano 40.DC, financiada em tantas vezes sem juros, ou mesmo algo mais nobre como uma família, Paulo se quer tinha uma família, pois desejava ter uma dedicação maior ao evangelho, ele era infeliz? sim ele seria para os dias de hoje. Em momentos em que ele demonstra tristeza e solidão, ele só pede amigos com ele,  e não livros que falem sobre como estar motivados todos os dias. Quem é que se sente motivado todo dia? 
    Para não ser longo, pois poderia falar muito mais coisas contra essa mentalidade, eu concluiria falando que é o tipo de coisa que é como jujuba na nossa dieta, ou seja, é bonito e gostoso, mas não agrega no ser, não fortalece, não trás consistência para alma, de modo que quando os invernos frios batem, as pessoas não aguentam e tomam resoluções absurdas, do tipo não confiar mais em Deus, não crer que ele exista, preenchendo o espaço dele com coisas como causa política por exemplo, que é muito comum no Brasil. Deixa a auto ajuda, e viva com a ajuda do alto..

0 comentários:

Postar um comentário