24 de mar de 2018

O Uso político da Morte!

A morte sempre foi um momento de total silêncio e reflexão para a maioria das culturas. Seja oriental ou ocidental a morte de um ser humano é um momento para choro dos entes queridos e amigos, e de reflexão sobre a brevidade e fragilidade da vida, é diante da morte de alguém que nos lembramos da nossa finitude e vulnerabilidade, e que se quer podemos prever o dia de amanhã. Esse tipo de reflexão não é feita todos os dias, pois a correria, o trabalho, os muitos planos nos envolvem de tal forma o qual não podemos se quer pensar em temas que nos tocam, afinal de contas a morte é algo comum a todo o indivíduo, até mesmo Deus provou a morte na pessoa de Jesus Cristo, ainda que tenha ressuscitado ao terceiro dia.
     Já diria o Sábio Salomão em sua idade mais madura que "Melhor é ir à casa onde há luto do que ir a casa onde há banquete; porque naquela se vê o fim de todos os homens, e os vivos o aplicam ao seu coração." (Eclesiastes 7:2) e também diz: O coração dos sábios está na casa do luto (Eclesiastes 7:4), ou seja, ele entendia que existe uma certa sabedoria contida e reservada para momentos de luto, os quais os dias de alegria não podem oferecer, portanto não é que se tenha uma visão positiva da morte, pois a morte sempre foi e será considerada como uma violência para nós, algo traumático, dolorido, e que marca profundamente nossas existência, mas ela é algo que nos faz de alguma forma crescer, no entanto temo que a nossa sociedade não esteja respeitando isso, temo que tal coisa seja usada para interesses que não são reverentes com o momento de extrema dor e luto de familiares bem como dos amigos mais próximos, eu reputo o luto como um momento dos mais particulares possíveis, que devem ser vividos apenas pela família e pessoas mais próximas, e que os mais distantes devem apenas prestar solidariedade, se possível da maneira mais silenciosa e contida possível, sem muito discurso e palavras.
     A morte brutal da Marielle Franco (Vereadora do RJ) que foi executada provavelmente por questões relacionadas a sua atuação política e sua repercussão nas redes sociais é um retrato que desejo usar para falar da falta de respeito pela morte de diversas pessoas, grupos, e afins, os quais se utilizam cada qual do seu modo desse evento para levantar suas bandeiras políticas e de supostas "grandes soluções" e com isso obter mais capital político para usar em suas campanhas e poder conseguir votos, e por consequência conseguir poder. Cabe o questionamento: Será que as disputas políticas não deveriam ter um certo limite ético? será que uma pessoa não pode mais morrer em paz?(é uma força de expressão) Será que não podemos nem respeitar o tempo adequado para o luto dos familiares e amigos íntimos? Será que podemos isentar pelo menos a morte de uma pessoa de análise ideológicas e oferecer solidariedade aos enlutados?
     Particularmente eu fiquei estarrecido com o comportamento das pessoas: De um lado levantaram fatos sobre a vida particular da moça (que antes de morrer eu nunca tinha ouvido falar) o qual difamavam-na, na tentativa de esvaziar o fato de que nenhum ser humano pode ser assassinado da forma que ela foi, de uma maneira covarde, ainda que essa pessoa tenha idéias e atuações sociais das quais não concordo. Jamais devo levar questões de opinião para o lado pessoal, na verdade isso é tão óbvio que não necessitaria ninguém dizer, mas no nosso brasil a política está sem limites. Um outro grupo tentou transformá-la em mártire de uma religião, em heroína, alguns compararam-na até com Jesus Cristo, para com isso tentar inflacionar o valor de tal forma a se conseguir comover as pessoas sensíveis aos fatos recentes e assim conseguir puxar apoiadores e marketing. Logo veremos camisas, broches, e produtos políticos vendidos por conta do uso maldoso de políticos com a morte de um ser humano, a morte de alguém não pode se tornar um "produto político". Um outro lado horrível é a midiatização.Os jornais e revistas ganhando dinheiro com seus anunciantes, surfando na morte de uma mãe, de uma pessoa, de um ser humano covardemente assassinado, aonde está o limite para essas pessoas? Sinceramente, eu vejo com péssimos olhos a política em si, pois a sua linguagem é a de lucro político, é a de "demagogizar" fatos, usar a sensibilidade e comoção das pessoas para fins particulares, é um tipo de canibalismo o que foi feito nos últimos dias. 
    As redes sociais se tornaram uma praça de guerra de textões para todos os lados, fotos, calúnias, fake news, e politização de um fato que não poderia ser usado pela política. A morte tem que ter respeito. Assim como não se deve lucrar com a miséria e pobreza, nem com qualquer tipo de sofrimento humano, menos ainda com a morte, principalmente quando acontece de uma forma tão brutal. Antes de qualquer palavra no sentido de análise política, é muito mais importante prestar condolências, solidariedade, ajuda material e moral a todos os mais próximos, mas enfim, estamos sofrendo da doença chamada política, que não perde a oportunidade de ganhar mais poder, e o pior, poder em benefício próprio os de grupos particulares como sempre foi e sempre será, independente de ser Esquerda ou Direita, ou qualquer que seja o grupo. A questão humana privada está acima da questão política e de ideias.
Fica esse Texto como uma reflexão sobre os limites éticos para qualquer que seja a luta o qual as pessoas se envolvam, existem coisas que estão acima de disputas de espaços, acima de qualquer debate, pois até que ponto vale a pena deixar de ser um ser humano comum para se envolver em utopias políticas? 

0 comentários:

Postar um comentário