7 de jan de 2014

Ditaduras reformadas: "e proibido pensar"!?

         
  Gostaria de falar de uma ditadura que tenho visto e sentido de forma muito clara nos ambientes cristãos reformados, nos círculos de debate, e na convivência com amigos que eu chamo de “ditadura da reforma” ou de certos “reformados”. Ditadura é uma palavra usada para regimes de governo totalitários que usam de todas as formas de violência para aniquilar o pensamento contrario ou diferente. Uma das maiores armas das ditaduras foi matar o pensamento livre. Toda produção literária, textual, artística, editorial, tinha o conteúdo controlado por aquele determinado regime que censurava no caso de as idéias difundidas ali serem contrarias as doutrinas daquele determinado controle.
            Quis trazer o conceito de ditadura como exemplo para uma realidade que tem me incomodado muito, mesmo porque eu não permito que nada me impeça de pensar livremente tanto sobre Deus quanto qualquer que seja o assunto. Muitos cristãos têm chamado para si o titulo de "ortodoxo", tem traçado uma linha, e qualquer que pensar fora de tais limites é taxado como liberal, ou coisa do tipo, isso quando não se chama de herege. Normalmente isso é feito por quem na verdade não estuda de forma séria, aprendeu alguns conceitos vindos de segunda mão, e já pensa que e calvinista e sabe alguma coisa, mas de fato esta no cafézinho da caminhada como estudante. Para os que querem aumentar o seu nível de dialogo e não ficar tão medíocre como esses eu gostaria de oferecer idéias simples que nos ajudarão a pensar com maior amplitude.
            Em primeiro lugar não existe uma teologia perfeita, a bíblia sim é perfeita no sentido de que o seu conteúdo é digno de toda aceitação, mas as interpretações que existem dela são imperfeitas e carecem de limitações, pois são tentativas de entender a mente ilimitada de Deus, existem verdades nucleares e inegociáveis disso ninguém discute, porém  situações de seqüência lógica, abordagem, o meio pelo qual se chega a raciocinar, em fim... para tudo isso não ha uma regra absoluta. Por exemplo: Encarnação, Vida, Morte, e Ressurreição são ensinamentos absolutos cristãos, mas dependendo da linha ela terá da mesma verdade uma interpretação, uma ênfase, uma abordagem diferente de tantas outras que existem.
            Gostaria de em segundo lugar falar sobre o conceito de ortodoxia que quer dizer nada mais e nada menos do que linha doutrinaria, ou seja, toda pessoa que defende uma linha de pensamento é ortodoxa por defender aquele pensamento. Tenho visto no debate cristão uma tentativa de comprar os direitos de uso da palavra ortodoxia por parte de setores reformados, os próprios de forma soberba e tirana tem feito um monopólio da virtude quando chamam para si um ar de espiritualidade diferente dos que defendem uma outra perspectiva, como se isso fosse pré-requisito para tal coisa.
            A minha terceira critica a ditadura  dos que se dizem estudantes de teologia é que as criticas feitas a outros pontos de vista raramente tem uma base em estudos sérios e próprios, são pré-conceitos que são plantados e que pegam por causa dos rótulos que são lançados, lembre-se que eu usei o conceito de totalitarismo, e isso e muito comum em regimes de poder. O Apostolo Paulo Recomenda “examinar tudo e reter o que e bom”, mas a maioria dos militantes “ortodoxos” não estudam tudo e não são ensinados a pensar por si, e recebem tudo pronto dos professores, teólogos de internet, que também são cheios de tendenciosidades, existe uma dimensão de síntese individual na caminhada do estudante, ou seja, ele mesmo deve colher as informações e discernir com seu coração baseado no testemunho da palavra no Espírito Santo. Espero ter contribuído para que haja realmente um estudo teológico que afete sua vida devocional e não para que você acumule informações vazias de sentido pratico e que não cooperam para o amor. Paz pra todos!

Um comentário: