18 de set de 2015

Profetas Pessimistas!

   

 Nosso objetivo é tentar pensar um pouco fora do senso comum sobre vida e caminho com Deus, e nesse sentido hoje gostaria  de falar a respeito do Pessimismo na vida do cristão. O pessimismo normalmente é confundido com falta de fé e murmuração, uma pessoa que tem fé normalmente é visto pelas pessoas como uma pessoa de pensamento positivo, que nunca reclama e sempre está alegre, isso asfixia certos tipos de pessoas na parede, praticamente obrigado a assumir uma coisa que nem sempre faz parte do nosso estado de espirito ou personalidade. Gostaria de ensaiar algo sobre esses conflitos sem saber qual conclusão isso dará.
     Pessimismo é definido a principio como uma visão um pouco cruel da vida, é um cacoete de ceticismo em relação as coisas, meio que uma flexão para um lado mau da existência que as vezes as pessoas querem tanto fugir. Não é o meu objetivo aqui fazer uma apologia ou pregação do pessimismo como algo "legal", a maioria dos pessimistas mesmo nem gosta de enxergar as coisas que consegue enxergar, e tentam dar uma melhorada para poder viver a vida, tenho como objetivo mostrar que o senso comum está errado e de como é possível ter um temperamento pessimista e ao mesmo tempo ter uma fé inabalável em Deus.
     A base da minha reflexão sobre isso será o Profeta Jeremias, entendo que ele seja um clássico exemplo de um homem chamado por Deus para pregar o evangelho em seu tempo, porém marcado como alguém que pregava em forma de lamento, que tinha uma pregação bem negativa, que dava prognósticos bem amargos, e depois chorava e clamava muito a Deus como um intercessor pelo povo que jazia em muitos erros irremediavelmente sentenciados com o cativeiro. O chamado profeta "chorão" teve um ministério em que pregou durante 50 anos aproximadamente, e os relatos dão conta de que ninguém se convertera ouvindo seus juízos, pelo contrário acabou praticamente sozinho não fosse a companhia de um eunuco (que não era ninguém naquela época), e o seu companheiro escrivão Baruque. O pregador estava prometido em casamento quando jovem até que Deus falara que ele não tomaria mulher em casamento e desde então sua vida foi pregar para um povo que jamais ouviria suas palavras, pelo contrário o humilharia, desde o menor até as  autoridades daquela época. Uma passagem que marca bem o pessimismo de Jeremias diante dos fatos cruéis em que ele se deparava é a passagem em que ele amaldiçoa o dia em que nasce, dizendo que um aborto era mais feliz que ele: "Maldito seja o dia em que eu nasci! Jamais seja abençoado o dia em que minha mãe me deu à luz!"(Jeremias 20:14), Nessa passagem depois de surrado a mando do Rei por entregar uma palavra dura, ele indaga com Deus e fala dessa forma, como se o "Destino" ou "Deus" o tivesse marcado ele para o sofrimento de não ser nem um pouco reconhecido pelo povo em sua época. Leia mais todo o livro de Jeremias e observe como a mensagem e os conflitos existenciais dele se confundem, isso é óbvio porque o profeta só prega aquilo que encarna do contrário é mero teatro.
     O Profeta ainda tem um livro com o sugestivo nome de "lamentações" nada mais pessimista hoje do que alguém que fica lamentando do seu lado, contudo posso dizer como um pessimista que sou que tal disposição não está ligado a falta de alegria não, é apenas um realismo muito pesado, mas em contra partida o milagre é a superação de tudo e manter uma esperança final maior do que qualquer crueldade existente. O chamado do evangelho é para vivermos uma Paz que excede todo entendimento ainda que nossas circunstancias sejam desfavoráveis e queiram tirar de nós o ímpeto de alegria. A nossa escatologia é de um final em que a vida vencerá a morte completamente, e triunfaremos com Deus no final, o nosso jogo é de vitória no final de tudo. Podemos exercitar isso e comemorar antecipadamente com uma vida de servo, de filho, e ser lembrado com um legado de vida como Jeremias e eu exemplo de entrega e confiança final.


0 comentários:

Postar um comentário