27 de jul de 2011

Quem foi Jonh Stott???

O inglês John Stott nasceu em 27 de abril de 1921. Foi um agnóstico até 1939, quando ouviu uma mensagem do reverendo Eric Nash e se converteu ao cristianismo evangélico.

Estudou Línguas Modernas na Faculdade Trinity, de Cambridge. Foi ordenado pela Igreja Anglicana em 1945, e iniciou suas atividades como sacerdote na Igreja All Souls, em Langham Place. Lá continuou até se tornar pastor emérito, em 1975. Foi capelão da coroa britânica de 1959 a 1991.

Stott tornou-se ainda mais conhecido depois do Pacto de Lausanne - grande congresso mundial de evangélicos que ocorreu em 1974 na Suíça, onde foi criado um comitê mundial das igrejas evangélicas. O teólogo se destacou na defesa do conceito de Evangelho Integral - uma abordagem cristã mais ampla, abrangendo a promoção do Reino de Deus não apenas na dimensão espiritual, mas também, na transformação da sociedade a partir da ética e dos valores cristãos. Em 1982, fundou o London Institute for Contemporary Christianity, do qual hoje é presidente honorário. 

Além da vasta produção literária, Stott há 30 anos atua no apoio à formação de pastores e líderes e também facilitando o acesso à literatura nos mais diversos países, através de sua organização John Stott Ministries e o fundo Langham Partnership International. Ambos estão encarregados de perpetuar a visão de Stott. A JSM continuará sob a presidência de Chris Wright, que desde 2001 é seu principal executivo. 

Em 2006, a organização apresentou seu projeto mais ousado: a publicação do Comentário Bíblico Africano. A obra conta com a inédita participação de 70 estudiosos africanos e foi elaborado com foco na realidade do continente, sem perder seu aspecto universal. 

Aclamado pelo jornal The New York Times como o “papa” dos evangélicos pelo seu imenso prestígio, Stott escreveu mais de 50 livros, dentre eles Entenda a Bíblia. 

Entre os seus títulos mais famosos estão: Cristianismo Básico; Crer é Também Pensar; Porque Sou Cristão; A Cruz de Cristo; Eu Creio na Pregação; Firmados na Fé; Cristianismo Equilibrado; Entenda a Bíblia; Cristianismo Autêntico; O Perfil do Pregador; Ouça o Espírito, ouça o mundo, a maioria deles disponível para empréstimo em nossa biblioteca.

A sua obra mais importante, Cristianismo Básico, vendeu mais de 2 milhões de cópias e já foi traduzido para mais de 60 línguas. Billy Graham chamou John Stott de "o mais respeitável clérigo no mundo hoje".

Leia abaixo uma frase marcante de John Stott:

"Alguma vez abrimos nossas portas a Cristo? Nós já o convidamos? Esta foi exatamente a questão que eu precisei ter colocado a mim. Pois, intelectualmente falando, eu tinha acreditado em Jesus toda a minha vida, do outro lado da porta. Regularmente tive dificuldades para fazer minhas orações pelo buraco da fechadura. Eu tinha mesmo empurrado tostões por debaixo da porta em uma vã tentativa de acalmá-lo. Eu fui batizado, sim, e confirmado também. Eu fui à igreja, li a Bíblia, tive altos ideais, e tentei ser bom e fazer o bem. 

Mas o tempo todo, muitas vezes sem perceber, eu estava afastando Cristo no comprimento do braço, e mantendo-o longe. Eu sabia que abrir a porta poderia ter consequências. Estou profundamente grato a ele por permitir-me abrir a porta. Olhando para trás agora por mais de cinqüenta anos, percebi que esse passo simples mudou toda a direção, o rumo e a qualidade da minha vida”.

Priscila Rocha com informações da editora Mundo Cristão

Estaremos neste blog colocando vários estudos do Dr. John Stott, para enriquecer o leitor e a liderança da igreja evangélica brasileira. A voz de Stott deve ser ouvida por esta geraçào fascinada pelo reino aqui e agora, pelo evangelho água com açucar e pelo evangelho estranho das facilitações urbanas.

25 de jul de 2011

Chá das Cinco - O filho Pródigo

18 de jul de 2011

O presente chamado Hoje

          Há uma ansiedade muito sútil permeando todos nós com relação aos acontecimentos futuros, hoje tudo é muito antes do tempo, basta ver os carros que são lançados  um ano antes do seu tempo, as tendências de moda, as previsões sobre o fim do mundo, mercado de trabalho e tantas outras coisas,  o futuro é desconhecido e por isso temido, não está no nosso controle e isso nos causa medo, pois queremos dominar e ter ao nosso alcance todas as circunstancias, na verdade não queremos ser pegos de surpresa. Esse desejo de antecipar tudo tem nos causado problemas em nossas relações tanto humanas quanto para com Deus, temos caído em algumas coisas que gostaríamos de pensar com vocês.
        Antecipar é comer comida crua e sem gosto, a comida que está pronta é a do agora, o maná do presente está fresquinho diante de nós e não conseguimos saborear pelo fato de os nossos olhos estarem fitos nas possibilidades do amanhã e não nas certeza que o presente nos dá. Devemos entender que é essa comida básica do hoje que nos dará força pra estar de pé no amanhã para contemplar a terra prometida com os seus cachos de frutas que vc não conseguirão mal carregar (Nm 13:18). Aguarde as estações da vida de um modo agradável, pois cada uma delas tem o seu valor e uma prepara a chegada da outra, se é tempo de plantar não queira colher, se é tempo de colher não fique olhando e colha, se é tempo de esperar com resignação não corra na frente do tempo. Davi soube viver bem o tempo entre ser ungido Rei e sentar no trono como Rei, ele encarou da melhor maneira as perseguições os impedimentos, em tudo isso ele vivia o que era pra viver.
      As bençãos que Deus tem nos dado nesse exato momento não são menores do que as que virão, vai depender apenas de como você administrará o que é dado, na parábola dos talentos vimos que o servo bom aproveitou o momento para multiplicar no futuro, o infiel enterrou o presente com medo do futuro, no fim vimos que não teve o presente e o futuro foi vergonhoso  (Mateus 25v14 a 30). A nossa visão física trabalha com a visão de perto e a visão de longe, se olharmos fixadamente para o longe, não notamos o que está perto com precisão, e se olharmos apenas para o perto o longe praticamente não existirá, por isso devemos degustar o manjar hoje crendo no banquete do amanhã, Devemos nos deliciar com cada pequenina passagem da nossa vida extraindo o sumo dos aprendizados e das alegrias que se apresentarão.
      O presente também tem lutas, cada dia tem o seu próprio mau, logo não precisamos fugir disso, contudo encará-las com elegância no viver aonde cada dia você perde alguma coisa, mas para cada perda há um ganho, para cada luta tem vitórias, para cada mau existe o bem, faça como jó que não aceitou só o bem de Deus, mas no momento certo aceitou também a privação. O fato é que o futuro nos permite fantasiar e projetar o ideal que nós desejamos viver, já o presente é a realidade por pior que vc entenda e que deve ser vivida na coragem e na fé daquele que tudo vence por nós.
      A ansiedade em nosso coração nos abate (Provérbios 12:25), antecipar o futuro é antecipar o inantecipável, a espera desenfreada pelo futuro cria desgosto e desanimo pelo presente, pois a esperança que se adia faz adoecer o coração (Provérbios 13: 12). A vida do hoje é que ti capacita para receber e desfrutar de tudo que um amanhã com Deus ti reserva.

16 de jul de 2011

A Obediência que Deus recebe


A palavra obediência tem perdido a razão de ser no meio de nós igreja do Senhor, aquilo que é a expressão da nossa identidade de filhos tem se esvaziado do seu sentido devocional, espiritual, e santo para com Deus. As campanhas, correntes, sacrifícios, tem apresentado a obediência a Deus como uma moeda corrente no seu reino, transformando relacionamento com o pai numa coisa mercadológica, que visa o bem que pode vir adiante daquele “investimento”, algo que tem tido sentido de troca no Céu, Porém a obediência que Deus reconhece e recebe não é essa, e sim aquela que vem de no mínimo Três Sentimentos.
Gratidão: No momento em que temos consciência da tão grande salvação que cristo gratuitamente no deu na cruz (Romanos 6:23), nos tirando do lamaçal do pecado (Salmo 40:2), e nos fazendo assentar à mesa com os príncipes (Salmo 113.7-8:), vemos quanto amor tem o pai por nós a ponto de sermos chamados filhos de Deus (João 1.12). Tudo isso não terá Dinheiro ou qualquer outro bem no mundo que pague todo esforço e sacrifício na melhor das intenções não retribui e nem compra o que Deus já fez por nós, não há como fazer nada pra Deus que seja além daquilo que ele mesmo já fez por nós, só nos Resta uma gratidão a ele por tudo quanto ele realizou e realiza em nós.
Voluntariedade: Poderia colocar incluído na gratidão, mas nem sempre queremos ver o que Deus já realizou, em momentos de tristeza reclamamos muito do que não temos, porém sem se lembrar daquilo que temos em cristo. Não poucas vezes o Espirito Santo nos lembra, ti levando lá pra trás e ti trazendo até os dias de hoje pra recordação dos feitos de Deus, mas o voluntário não quer nada em troca,  sabe que não vive mais pra si mesmo, e vive não tendo nada como precioso senão o ser de Deus, por isso ele se prontifica, se lança,se entrega, e não visa perdas  ou ganhos mas pura e simplesmente a vontade Deus.
Fé: Foi por confiança em Deus que o Crente Abraão ouviu a voz que dizia a ele para sair da terra de seus pais e de sua parentela, para uma terra que ainda ira ser mostrada (Genesis 12), ele creu naquela voz e somente obedeceu, e em hebreus o escritor conta que Abraão saiu sem saber para onde iria (hebreus11: 8), às vezes não entendemos nada ao nosso redor e se não for por fé não obedeceremos, por isso a obediência não está limitada pelo que vemos. O pai da fé obedeceu contra tudo que era normal, parecia loucura, mas era uma obediência confiante que o Javé Jiré tudo iria prover e foi assim chamado pai da fé.
A obediência em cristo é se opõe  diante do que se fala que é obediência que na verdade é interesse e trocas com Deus, não queira barganhar aquilo que Deus ti concede com o amor incondicional, que nós possamos dar sentido Bíblico para essa palavra através da gratidão de um salvo, da entrega voluntária de um servo, e da fé cega de um crente.

11 de jul de 2011

Os princípios eternos de Deus


Existe um principio da natureza que fala sobre uma força que atrai todo o corpo para o centro da terra, baseado nessa premissa existe o que nós conhecemos como LEI DA GRAVIDADE. Leis e regras não devem ser nunca confundidas com princípios, os mesmos não geram leis, porem toda normativa bíblica é filha de um principio divino. Toda lei que não tem principio de Deus, terá um caráter temporário, Pois só os propósitos santos serão eternos. A bíblia como um livro de leis somente terá um valor legal, nos distanciando do centro que é Jesus, precisamos entender o caráter eterno das escrituras e pra isso pelo menos três coisas são necessárias.
Conhecer a Deus: Advogados diferenciados para entender as leis não recorrem apenas aos livros e estudiosos ainda que ajudem, mais do que isso, para chegar na origem o melhor é conhecer a pessoa que criou a lei, de fato o legislador é o melhor para contar com riqueza de detalhes e explicar o seu objetivo ao formar uma Norma. Conhecer o autor da palavra é saber a intenção, ou seja, mergulhar no lugar original daquela ordem, sendo que o problema é lermos, estudarmos, pregarmos, e ensinarmos sem conhecer Deus, vale lembrar que os escribas e fariseus era os maiores eruditos da palavra na época de Jesus, não sabiam nada de Deus e tão pouco das coisas de Deus, sendo eles  os opositores  e perseguidores da fé, então conhecer o Deus da escritura é entender o Principio do caráter na lei-mandamento que ele nos Deixou.
Amar a Deus e ao próximo: Após a lei dada por Moisés ao povo de Israel, foram criados mais 613 mandamentos para tentar “ajudar” o entendimento e a prática da vontade de Deus, houve um efeito inverso e a lei se voltou contra o povo sendo ela um peso insuportável para qualquer um deles carregar, depois Jesus  viria trazer a simplicidade para os Juízos  resumindo a visão da vontade de Deus em uma palavra: AMOR, pois quando amamos a Deus e ao próximo tornamos a lei totalmente inteligível e praticável por todos que quiserem segui-los, de fato o amor em cristo é a essência de todas as coisas.
Ter fé: devemos  entender a vontade de Deus por fé, mas não nos peça pra explicar a expressão entender por fé, pois isso vai além de nós, são coisas  vividas e impossíveis de se explicarem com palavras, a fé faz com que vejamos o caráter espiritual e purificador das escrituras tanto na forma de mandamento como na forma de ordenanças. O espiritual é o principio de tudo que Deus faz, porque ele é Espirito.
                 A lei e os testemunhos de Deus não passam e os seus propósitos não fenecem, Como espirituais que somos devemos entender que uma coisa é a escritura, e a outra é o crente escriba que não se relaciona com Deus, não ama, e não tem fé podendo impedir sua própria salvação e também a de outros tantos que ouvem o convite de Jesus que propôs um jugo leve.

8 de jul de 2011

mente cristã: "Bem-aventurados os que choram, porque eles serão ...

mente cristã: "Bem-aventurados os que choram, porque eles serão ...:SEJA GRANDEMENTE ABENÇOADO COM A LEITURA DESSE TEXTO.

"Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados;"


O choro  nem sempre é manifestação de tristeza, angustia ou sentimentos ruins, não poucas vezes vamos ver pessoas chorando de alegria por uma vitória alcançada por elas mesmas ou coisas boas que aconteceram ao seu redor.  No conhecido sermão do monte Jesus está ensinando as bem-aventuranças, está sendo dito sobre os que choram no pior sentido que as desventuras da vida podem dar, o choro da perda, a dor, a frustração, a escassez, a angustia, a tragédia, ou seja, as calamidades que acontecem dentro e fora de nós durante toda existência, Entendemos assim pelo fato de que depois do choro emprega-se o verbo consolar, e só pode ser consolado quem chora no pior sentido de uma alma dolorida.
Durante o nosso existir muitas  vezes necessitaremos de consolo, pois não podemos evitar situações que nos deixem sem ter pra onde ir, sem palavras, sem reação, decepcionados e frustrados com profundas dores na alma, As vezes até criamos dentro de nós mundos paralelos idealistas visando correr desses eventos que a vida nos prepara, mas são fugas paliativas que só aumentam a queda, pois um dia esse tipo de casa cai.
 A palavra CONSOLAR vem do grego PARAKLESIS, que significa “COLOCAR-SE AO LADO DE UMA PESSOA, ENCORAJANDO-A E AJUDANDO-A EM TEMPOS DE AFLIÇÃO”, e Tudo que Deus quer ser na nossa vida é essa pessoa ao nosso lado, pra nos encorajar, e nos dar toda a força em momentos que nos vemos de frente pra nós mesmos, chorando em luto na alma pela morte de algo ou alguém que se foi, ou que nunca veio . A nossa natureza é que foge todos os dias desses eventos, estamos sempre buscando a segurança, estabilidade, e tranquilidade em todas as coisas pra nos afastar do choro, mal sabendo nós que toda a obra de Deus inclui momentos dos mais infelizes em que pensamos que é o fim da linha para o nosso trem da vida.
O consolar de Deus em nossas vidas renova a nossa força : Quando enlutados na vida, o desanimo bate a porta do nosso coração, o nosso pensamento pende pra derrota, então  o consolo da parte de Deus é o socorro quando nossos sonhos estão na enchente que foi criada pelo mar de lágrimas das tristezas na vida. A fé nos faz respirar quando estamos com os sonhos sufocados pelo ar rarefeito em aflições da vida, pois Os que esperam no Senhor Renovarão as suas forças (Isaias cap.40v27-31)
Quando consolados podemos consolar: A bíblia diz que sendo  consolados podemos consolar com a mesma consolação que fomos consolados na nossa tribulação( 2 Coríntios 1:3) Deus nos forma consoladores na medida em que somos por ele renovados, podendo com toda propriedade trazer vida aos que passam as mesmas situações de morte de sonhos, levantando o animo e trazendo espirito de luta para uma vida que não acaba ali.
Deus nos chama pra chorar na vida todos os lutos que ela nos apresentar, devemos ser chorões na existência assim como o profeta chorão Jeremias que só fizera o bem, porem sem receber nenhum reconhecimento na sua época, portanto devemos encarar a realidade na fé daquele que vence toda tristeza, angustia, perdas, e rejeições inerentes a vida. (1 João  5.4).

1 de jul de 2011

Vivendo, se movendo, e existindo em Deus.